Arquivo da categoria: Receita

Punta Del Este Food & Wine Festival 2012

¡ Hola !

E vem ai mais um evento gastronomico de importancia na America Latina – desta vez no Uruguai, para ser mais exato na chiquérrica cidade de Punta Del Este, destino de várias celebridades, politicos e socialites do mundo.

Banner do evento que ocorre agora em Outubro

O evento é o Punta Del Este Food & Wine Festival 2012, que entra agora em sua 3° edição, prometendo grandes atrações além da presença de mais de 25 Chefs internacionais e muitos grandes Chefs uruguaios. O Evento ocorrerá entre os dias 26 e 28 de Outubro no Hotel Mantra Punta del Este Resort Spa and Casino, para promover as riquezas da gastronomia uruguaia e claro de seus famosíssimos vinhos, com o tema “Escape para os melhores sabores do mundo”, será maior que as edições anteriores, em ambientes tanto internos quanto a céu aberto, oferecendo almoços especiais, com 9 eventos unicos e uma carta de 100 vinhos para apreciação.
É um evento lindo, porém, como critica pessoal, é diferente dos outros eventos ao redor do mundo, não foca na gastronomia de uma forma tão direta, e sim um evento turistico para classe alta onde o foco é participar de almoços e jantares refinados, mas não perde o encanto e a comida como centro.

A linda e chiquérrima cidade de Punta del Este

Resort que ocorrerá o evento que esta em sua 3° edição

Por se tratar de um evento em um mega resort, há diversos pacotes para entrada no evento, podendo ou não se hospedar no Hotel sede do evento, para maiores informações de reservas no hotel http://www.mantraresort.com , e para informações do evento http://www.puntafoodandwine.com/ – Além do evento, vale a pena conhecer o resort !

E Inspirado neste momento do Uruguai que apreseto uma receita tipica deles o Estofado !

Estofado, prato tipico da cultura Uruguaia

INGREDIENTES:
* 800g de miolo de contra filé (corresponde ao chorizo usado por eles neste prato)
* 1 colher (sopa) de molho de tomate
* 2 xícaras de tomates picados
* 1 cebola grande
* 1 pimentão vermelho
* 1 pimentão verde pequeno
* 25g de azeite
* 2 dentes de alho
* 2 colheres (café) de açúcar
* 2 folhas de louro
* 1/2 colher (café) de orégano
* 1/2 colher (café) de tomilho
* 1 colher (café) de salsa
* 1 colher (café) de sal

MODO DE PREPARO:
Corte a carne em pedaços médios e tempere com sal. Doure a carne em uma panela com o azeite.
Adicione a cebola, a salsa, os pimentões e o alho bem picados e misture. Em seguida, junte os tomates, o molho de tomate, o louro, o orégano, o tomilho e o açucar.
Deixe cozinhar em fogo baixo por 2 horas e 30 minutos, ssempre regando a carne com o molho que se forma.

DICA: Sirva com batatas – cozinhe rápidamente batatas em cubos médios e depois asse no forno para dar crocancia.

Para refrescar – Daiquiri !

¡ Hola !

3 versões de Daiquiri

Sem dúvida alguma, uma das bebidas mais famosas de Cuba, ao lado do delicioso Mojito é o Daiquiri
De origem ainda controversa o Daiquiri é uma bebida iconica de Cuba, além de deliciosa e refrescante – Sua origem é de 1905 e teria sido criado por Jennings Cox (Gerente geral da espano-americana Iron Co.) para entreter alguns convidados americanos em um bar em Santiago de Cuba – quando acabou o Gin começou a usar o Rum e o açucar e limão – itens que são muito usados em Cuba.

A bebida ficou ainda mais conhecida na década de 40 com as politicas de boa vizinhança entre EUA e Caribe, foi ai que começaram a rotular o Rum como a bebida dos piratas (até hoje muitas marcas famosas de Rum utilizam imagens de piratas em seus rótulos) – assim se tornando naquele periodo uma das bebidas da moda, sendo apreciadas por pessoas ilustres, como o presidente J. F Kennedy e Ernest Hemingway

Há alguns versões para a bebida, onde pode só conter limão, rum, açucar e gelo e a mais famosa de todas onde se acrescenta o licor Maraschino e bate tudo no liquidificador, dando uma consistencia de frapê a bebida, o que a torna ainda mais atrativa e refrescante criada no bar La Floridita pelo Constantino Ribalaigua.

Fachada do histórico bar La Floridita em Cuba – onde foi criada a versão mais famoso do Daiquiri

Então se vocês esta sofrendo assim como eu com este calor, bora tomar uns Daiquiris !!

Segue a famosa receita do pai dos bar tenders cubanos Constantino Ribalaigua :

Daiquiri Frozen – batendo o gelo no liquidificador para dar esta aparencia de frapê


DAIQUIRI

2 doses de Rum prata
1/2 dose de suco de limão galego
1 pitada de acúcar
1 gota de Marasquino
Gelo picado

Preparo
No caso do frapê – colocar tudo no liquidificador e servir em taças de martini com a borda de açucar*
No caso da classica – colocar em uma coqueteleira bater bem e coar em uma taça de martini com a borda de açucar*

*Borda de açucar: cada um faz do jeito que lhe for mais agradavel, no meu caso, eu paço um limão na borda e a viro em um prato com açucar. ;)

¡ Hasta Luego !

Sour Cream – um refrescante dip Mexicano !

¡ Hola !

Muito utilizado como acompanhamento em comidas típicas mexicanas e também americanas, o sour cream é um creme de leite fresco que passou por um processo de fermentação por adição de bactérias de ácido lático. Costuma ter a textura espessa como chantilly e ser ligeiramente ácido ao paladar, lembrando um iogurte.
Como aqui no Brasil não encontramos o sour cream pronto para comprar em mercados, temos que optar pelas “adaptações”, “invenções” entre outros…
Há duas versões de sour cream made in Brazil que geralmente são utilizadas em restaurantes mexicanos aqui.. Deixamos abaixo as duas, para que você possa escolher qual te agrada mais!!

O Refrescante e fácil dip mexicano Sour Cream

Opção 1-
mistura-se 1 colh. (sopa) de suco de limão a 1 xíc. de creme de leite fresco, e deixa-se a mistura descansar em temperatura ambiente por 30 minutos. Guarde na geladeira até a hora de usar.

Opção 2 -
Misture 500ml de creme de leite fresco a 1 copo de iogurte natural, deixe descansar em temperatura ambiente por 24h. Guarde na geladeira até consumir.

Depois de saber a receita caseira, vale então testar com empanadas, tortillas, quesadillas, saladas, hamburguer e o que mais a sua criatividade permitir!!!

UPDATE
Há uma outra forma de fazer sour cream muito saborosa – Utilizar cream cheese adicionar um pouco de suco de limão, até atingir a acidez desejada, eu uso suco de meio limão grande para 200g de cream cheese – para finalizar dar textura mais leve com creme de leite fresco, mexer muito bem e deixar descançar na geladeira, pode até colocar umas folinhas de hortelã que fica uma delicia – e servir gelado !

¡ Hasta Luego !

PARAGUAI – Uma cultura negligenciada !!

¡ Hola !

Hoje temos mais um post feito pelo nosso colaborador e amigo Fernando Costa – Desfrutem:

Ponte da Amizade – Construída na Década de 60, ela liga o Brasil ao Paraguai

“Há algum tempo atrás foi veiculado um comercial de TV que certamente os de mais idade irão se lembrar.
Era de uma marca de eletrônicos japonesa. O cenário lembrava uma destas barracas de ambulantes com vários equipamentos eletrônicos, e atrás da barraca o vendedor era um japonês, mas um vendedor diferente. Tinha cabelos compridos e sotaque castelhano (aliás, quem foi o ator era um diretor de arte, grande amigo Yukio). No final do comercial o cliente perguntava sobre a garantia e o Yukio respondia: Garantia? Lá garantia soy jô! Esta resposta e todo o comercial indicava que o produto era Paraguaio.
Esta é a visão que temos quando falamos do Paraguai, um país que vende produtos contrabandeados, um país pobre, um país onde nossos carros são roubados e vendidos lá.
Nos esquecemos que temos uma dívida histórica. Na Guerra do Paraguai o Brasil, a Argentina e o Uruguai quase destruíram a nação, foi um verdadeiro genocídio, e na época o Paraguai era um país próspero. Esquecemos que aqui no Brasil também somos o país da pirataria. Esquecemos que aqui existem regiões tão pobres quanto lá.
O Paraguai é um país repleto de problemas, mas tem a sua cultura e dentro dela a culinária.
A culinária do Paraguai tem forte influência indígena, predominando o milho e a mandioca. As comidas típicas do Paraguai são: Chipa, Sopa paraguai, Kivevé, Vori vori, Locro. etc. Com a farinha de milho se elabora as mais variadas sopas paraguaias, e com o milho se elabora o chipá guazú. Algumas das comidas mais conhecidas e representativas do Paraguai são: o assado de panela, a parrilha, o chicharrón trenzado (carne feita em tiras entrelaçadas que é fervida e logo se frita), o pastel mandió (empanadas feitas com purê de mandioca, farinha de milho e recheado com carne), entre outros.
Vale a pena se aprofundar um pouco mais e conhecermos algumas recitas do Paraguai.”
Fernando Costa

E abaixo vocês encontram esta deliciosa receita que é o Pastel Mandió

Empanada tipica do Paraguai com massa feita a base de Mandioca !!

Ingredientes
. 600 g de mandioca
. 2 colheres (sopa) de margarina
. 1 ovo
. 3 xícaras (chá) de farinha de trigo
. Sal, pimenta e orégano a gosto
. 2 tomates sem pele e sem sementes picados
. 200 g de mussarela ralada

Modo de preparo
Cozinhe a mandioca, escorra e esprema.
Misture a mandioca, a margarina, o ovo, a farinha e o sal. Trabalhe a massa até que ela se desgrude das mãos.
Prepare o recheio: misture o tomate, a mussarela, sal, pimenta e orégano.
Abra a massa com um rolo e corte pequenos círculos.
Recheie e feche o pastel, pressionando as bordas com um garfo para vedar bem a massa.
Frite em óleo bem quente até dourar. Escorra e sirva.
Rendimento: 40 Porções

Chipa Paraguaia – A versão do pão de queijo de nossos vizinhos !!

¡ Hola !

Como queremos mostrar a rica cultura gastronomica dos paises latinos, não podiamos deixar de lado nossos vizinhos paraguaios, que por muitas vezes são esquecidos. Como todos os páises ao redor do globo o Paraguai possui também suas tradições e a comida é sempre parte integrante de comemorações e “rituais” locais.

Na semana santa, muitos paraguaios mantém a tradição de apenas comer na quinta e sexta-feira apenas 2 pratos de sua culinária a sopa paraguaia, que é uma torta preparada com fubá, queijo meia cura ralado grosso, cebola, milho verde debulhado e manteiga e a Chipa. A Chipa é muito parecida com nosso pão de queijo, pois nela há polvilho e queijo, porém não há a necessidade de escaldar o povilho como na versão tupiniquim, também difere na apresentação, enquanto a nossa versão é um bolinho roliço a versão paraguaia é uma meia lua.

Chipas à venda na semana santa paraguaia – foto extraída do site http://xadreztorneios.blogspot.com.br/2010/05/joca-premio-de-beleza-curitiba-asuncion.html

Aqui no Brasil a chipa tem se popularizado muito e inclusive já é possível achar nos mercados ela semi-pronta congelada. Você também pode consumir a tipica chipa paraguaia aqui no Brasil no estado do Mato Grosso so Sul, onde esta presente a maior colonia paraguaia do país, que mantém tradições mesmo depois de anos em terras brasileiras.

Para quem quiser preparar esta deliciosa receita é só seguir os passos abaixo !! DICA: a massa pode ser aromatizada com pimenta calabreza, ervas finas, alho e o que a sua criatividade mandar.

Chipas Paraguaias – a versão do nosso pão de queijo

Ingredientes

2 ovos
400 g de polvilho doce
100g de margarina
15 g de fermento em pó
500 g de queijo minas ou mussarela ralados
10g de sal (se o queijo não for salgado)
Leite até dar o ponto (aprox. 180 ml)

Modo de preparo

Coloque os ovos, a margarina, fermento em pó, o queijo ralado e o polvilho em um recipiente e misture bem. Coloque o leite em pequenas quantidades até a massa desgrudar das mãos). Faça porções em formato de ferraduras, com cerca de 30 g cada uma, coloque em forma untada com manteiga e leve ao forno previamente aquecido, a mais ou menos 180ºC. Deixe assar por 15 a 20 minutos.

Pisco Sour – Arriba, Abajo, Al centro, Adentro !!

¡ Hola !

Já chega de comida, vamos falar de Pisco Sour!

O pisco sour é um drinque preparado à base de pisco (aguardente peruana feita de uva) e suco de limão com outros ingredientes.

As uvas moscatel, de onde o pisco é destilado, foram cultivadas primeiramente no Peru, pelos Espanhóis no século 16 (nessa época tanto o Peru quando o Chile era parte da Colonia Espanhola na América). Quando se tornaram países independentes, ambos nomearam a bebida como sua própria. Sendo assim, o Pisco Sour é um drink “nacional” tanto no Chile quanto no Peru.  Existe uma pequena diferença na quantidade de açúcar e no teor cítrico entre as duas receitas.

No ano passado, tive a oportunidade de experimentar o tradicional pisco Chileno, eu gostei… é bem forte, mas quando eu soube que ia clara de ovo para fazer a “espuminha” que fica na parte de cima, confesso que fiquei com nojo e acabei optando por não tomar mais.

A garrafa de Pisco está para o Chile como a garrafa de Tequila está para o México… e olha, eu achei o sabor bem semelhante, lembra uma tequila, é uma bebida forte. Tem muitas marcas disponíveis no mercado, mas tem uma marca mais famosa chamada “Campo de Encanto”.

Deixamos aqui a tradicional receita, para vocês experimentarem em casa…

O Tradicional Pisco Sour servido em taças de prosecco

Pisco
Suco de limão
Açúcar
Clara de ovo
Xarope de açúcar
Essência de rosas
Gelo picado
100 ml
100 ml
3 colheres (sopa)
¼
½ colher (sopa)
2 gotas
8 colheres (sopa)

Bata tudo no liquidificador até ficar homogêneo e sirva em taças… Lá no Chile eles servem em taças altas, as mesmas usadas para tomar vinho prosecco.

Hasta Luego!

Fonte: Site Bem Simples / food. Com

Finalmente CEBICHE – o teste que deu certo !

¡ Hola !

E hoje vamos falar da maior estrela da gastronomia e cultura peruana o Ceviche ou Cebiche. O Ceviche esta para o Peru assim como a feijoada esta para o Brasil, o croissant esta para a França e o chucrute esta para a Alemanha. Brincadeiras a parte, estava realmente ansioso para falar sobre este prato que esta alta na gastronomia, ficando cada vez mais conhecido fora das fronteiras andinas e conquistando os corações de várias culturas. O prato é basicamente um peixe branco cru marinado em um molho feito a base de alguma fruta citrica sobretudo o limão e a lima. O molho como vocês viram em nosso ultimo post é o Leite de Tigre, porém pode variar podendo apenas colocar o suco citrico com os outros condimentos separadamente. Porém, vale lembrar que, o diferencial do prato esta em dois pontos cruciais, 1° a escolha do peixe, deve ser branco com pele firme e sem gordura (o Atum serve como exemplo do que não deve ser utilizado) e deve ser o mais fresco o possível, já que é consumido cru e 2° é o preparo do leite de tigre e quais ingredientes devem ser usados, um ponto importante é que nenhum ingrediente deve se sobressair ao sabor do limão. Como acompanhamento se usa alface, milho, abacate e batatas doce, não necessáriamente todos juntos.
Bom decidi fazer o Cebiche e servir como entrada em um jantar de familia acompanhado de um milho que comprei na feira Kantuta, o milho em questão foi torrado bem ligeiramente o que causou um estouro feito uma pipoca comum, porém sem abrir para fora, achei interessante e com sabor bem próximo da pipoca comum mas mais marcante. Para o Cebiche em si, escolhi uma corvina fresca que comprei no Mercadão da Penha, situdado no bairro da Penha, zola leste de São Paulo. Bom vamos ao que interessa – segue receita e como o prato foi servido.

Travessa com o Cebiche sendo marinado no leite de tigre !

Cebiche servido em taças individuas com a pipoca do milho andino guarnecendo ! a totalha também foi adquirida na Feira kantuta, é de origem boliviana !

INGREDIENTES
• 500 g de Filé de Corvina ou outro peixe branco (Tilápia também da para usar)**
• 500 ml de Leite de Tigre (preparo no ultimo post do Blog)
• 1 cebola roxa grande – em finas fatias
• 10 g de coentro picado
• 5 g de pimenta dedo-de-moça picado e sem sementes
• 10 g de gengibre picado
• Suco de dois limões
• Sal à gosto
• Milho (choclo) peruano/Boliviano*

PREPARO
Separe os filés e corte os em cubos médios, depois tempere com sal, suco dos limões, a pimenta dedo-de-moça e o coentro. Disponha as cebolas fatiadas misturando bem com o peixe, e regue com o leite de tigre até quase cobrir o peixe, depois deixe repousar dentro da geladeira por alguns minutos. Enquanto isso colocar os milhos peruanos em uma frigideira com um pouco de azeite em fogo alto, tampar e esperar que estourem e fiquem ligeiramente torrados. Dispor o cebiche em taças com a pipoca por cima e sempre com muito molho.

*Dica: milho pode ser encontrado na Feira Kantuta que falei aqui no Blog. Este prato deve ser servido na hora do preparo e sempre gelado, para refrescar pode se adicionar 2 pedras de gelo, mexer bem e as retirar para que não “ague” o tempero.
**UPDATE: A Corvina não é uma das melhores opções para fazer este prato, um ótimo é o Namorado e também a Tilápia

Leite de Tigre – O tempero Andino

¡ Hola !

Olá Pessoal, hoje trago para vocês o famoso “Leche de tigre”, ou leite de tigre em português.
O leite de tigre não é um leite retirado deste famoso felino, como alguns pensam, se trata de um preparo usado como tempero em diversos pratos da cultura latino-americana, ele basicamente é um molho feito a base de especiarias e suco de limão, e o nome leite vem em função do seu aspecto leitoso e tigre pois utilizam este molho para curar ressacas e dar forças a quem o ingere. O principal prato que é usado o Leite de tigre é o Cebiche.
A origem é incerta, o que se sabe é que os povos das regiões andinas sempre tiveram o costume do consumo de peixes e que com a colonização espanhola foi introduzido o uso do limão para temperar os peixes, já que assim o usam em terras européias.
A grandes funções deste preparo é a de marinar, dar sabor, e altera suavemente a textura do peixe, uma vez que o ácido presente no limão cozinha superficialmente a carne do peixe, que como sabemos não é levado para nenhum tipo de cocção no preparo do Cebiche.

LECHE DE TIGRE – não é o leite do felino como muitos pensam !

Pesquisa sobre o preparo feita então resolvi fazer um teste, preparar Leche de Tigre, e tentar não fungir da sua receita original, mesmo sendo muito difícil, pois no Peru esta receita varia muito e vários ingredientes não são encontrados aqui no Brasil. Um dos ingredientes quase impossível de se achar é o Aji Amarillo. Na feira Kantuta que eu falei aqui Blog eu encontrei e comprei na versão desidratada, porém não deu para usar, pois em função do processo de desidratação a pimenta perdeu boa parte de seu sabor e toda a ardência. Em várias versões da receita aqui no Brasil é usada a pimenta dedo-de-moça. Porém eu queria chegar o mais próximo o possível do sabor peruano e eis que encontrei a versão em conserva da Aji Amarillo na Bombay Especiárias, com loja no bairro do Jardins em São Paulo (endereço no fim do post), um vidro pequeno custou 15,00. Bom agora chega de papo e vamos a receita do leite de tigre, esta adaptada por mim:

Leite de Tigre sendo usado em um prato – ficou uma delicia !

INGREDIENTES
• 500 ml de caldo de peixe
• 1 l de suco de limão
• 250 g de salsão picado
• 50 g de alho
• 40 g de gengibre picado
• 120 g de cebola picada (preferencialmente a roxa)
• 10 g de coentro picado
• 30 g de pimenta dedo-de-moça picada (ou 50g de Aji Amarillo em conserva)
• sal a gosto

PREPARO
Num liquidificador coloque 500 ml de caldo de peixe, 1 l de suco de limão, 250 g de salsão picado, 50 g de alho, 40 g de gengibre picado, 120 g de cebola roxa picada e bata bem. Passe a mistura por uma peneira e volte à mistura para o liquidificador. Acrescente 10 g de coentro picado, 30 g de pimenta dedo-de-moça picada (ou 50g Aji Amarillo em conserva) e bata rapidamente para que não soltem a cor. Leve à geladeira.

Dicas: Caso não goste de pratos muito picantes, diminua a quantidade de pimenta, porém a considero indispensável. No caso de usar Aji Amarillo em conserva, eu os lavei para retirar o excesso de vinagre de álcool que continha e não dar discrepância de sabores. Sempre usar os ingredientes frescos e manter gelados, o uso deve ser imediato para melhores resultados

AJI AMARILLO e vários outros itens podem ser encontrados na Bombay Especiarias na Alameda Ministro Rocha Azevedo, 856, Cerqueira César, São Paulo.

Pablo Neruda, Chile e o Caldillo de Congrio !!

¡ Hola !

Este texto feito exclusivamente para nosso blog, foi escrito pelo nosso colega Fernando Costa! Deliciem-se e no final do post uma receita especial !

Sempre fui fã do Chico Buarque.
Há muito tempo adorava uma música que ele dizia: “…Devolva o Neruda que você me roubou, e nunca leu…”
Na minha santa ignorância de pré-adolescente, achava que “Neruda” era um substantivo. A genialidade de Chico Buarque era tanta que ele inventava palavras de duplo sentido. Sei lá, Neruda talvez fosse um tipo de revista semanal contra a ditadura.
Na época não tínhamos a facilidade que a internet nos dá hoje em dia. Demorou um tempo até descobrir que Neruda era um poeta chileno. Descobri as duas coisas: Pablo Neruda e o Chile.
Agora caro leitor você pode me perguntar: O que uma coisa tem a ver com a outra? O que Chico Buarque, Pablo Neruda e o Chile tem a ver com um blog de culinária Latino Americana?
Resposta: tudo.
Tempos duros aqueles da ditadura, não só no Brasil, mas também em toda a América Latina. O Chile viveu um pequeno período em que Salvador Allende foi presidente e tentou implantar em seu país um regime diferente. Chico assim como outros intelectuais viram no Chile a esperança de um mundo melhor, e Pablo Neruda viveu este momento e também a queda de Salvador Allende.
Pablo Neruda escreveu sobre política, cultura, amor e culinária. Em um poema chamado “Ode ao Caldillo de Congrio” Neruda nos faz ter uma vontade terrível de experimentar um pouco da culinária Chilena. O Caldillo de Congrio é um dos pratos tradicionais da costa chilena à base de peixe.
Eis aqui alguns versos traduzidos do poema:

“Ode ao Caldillo de Congrio”

“No mar tormentoso do Chile
vive o rosado congro,
gigante enguia de nevada carne.
E nas panelas chilenas,
na costa, nasceu o caldo
grávido e suculento, proveitoso.
[...] Enquanto se cozem com o vapor
os régios camarões marinhos
e quando já chegaram a seu ponto,
quando coalhou o sabor
em um caldo formado pelo suco
do oceano e pela água clara
que desprendeu a luz da cebola,
então é que entra o congro
e se mergulha na glória,
que na panela se azeite,
se contraia e se impregne.
Já só é necessário deixar no manjar cair
o creme como uma rosa espessa,
e ao fogo lentamente
entregar o tesouro
até que no caldo se esquentem
as essências do Chile,
e à mesa cheguem recém-casados
os sabores do mar e da terra
para que nesse prato
conheças o céu.”
Fernando Costa

Pablo Neruda, Maior escritor e poeta Chileno de todos os tempos

Na vida tudo é poesia, e na cozinha tudo é cultura.
E com poesia e cultura de presente pra você a receita do Caldillo de Congrio.

Caldillo de Congrio – Inspiração para o Poema de Neruda

INGREDIENTES DO CALDO DE PEIXE:
- Um quilo de cabeça e ossos de congro
- Duzentos e cinqüenta mililitros de vinho branco
- Dois litros de água
- Uma cebola cortada
- Dois talos de aipo picados
- Uma cenoura cortada
- Louro, tomilho e sal a gosto
- Sal e pimenta a gosto

PREPARO DO CALDO
- Lavar bem os ossos e a cabeça sem deixar vestígios de sangue
- Colocar todos os ingredientes em uma panela
- Deixar ferver e, depois, cozinhar em fogo baixo por mais 25 minutos, mais ou menos.

INGREDIENTES DO CALDO DE CONGRO:
- Um litro e meio de caldo de peixe (já pronto)
- Quatro colheres de sopa de azeite
- Duas cebolas sem casca cortadas em lascas
- Três dentes de alho picados
- Quatro tomates sem casca e sem sementes cortados em pequenos cubos
- Dez camarões calibre 20-26
- Dez postas de congro vermelho
- Cem mililitros de creme de leite
- Uma gema de ovo
- Salsinha picada a gosto
Opcional: Trinta rodelas de batatas pré-cozidas

PREPARO CALDO DE CONGRO
- Fritar as cebolas e o alho no azeite até obter uma cor dourada e reservar.
- Em outra panela, fritar o tomate em azeite e cobrir com o caldo de pescado
- Dourar as postas de congro no azeite para selar o peixe, evitando que ele perca água
- Colocar uma parte das cebolas fritas, o tomate cozido e os peixes em uma panela de barro
- Adicionar o caldo de peixe
- Cozinhar em fogo baixo até que os peixes fiquem no ponto
- Adicionar o creme de leite diluído em um pouco de caldo
- Acrescentar a salsinha a gosto

Apresentando os sabores Latinos “in a dirty way” !

Olá Pessoal !


Se você está “aguado de gallina” é melhor pensar em dar um  “chupe de pollo”, não amigo, eu não estou “locro”, só estou meio “arepa” hoje, mas quem não está?

Não leva a mal minha pergunta, mas que tal tomarmos “humitas”? Tá bom, não falo mais nisso, mas se não tá afim então “chipa” daqui porque sou “majao” e “hojuelas” não vem e por isso estou meio de “buseca” cheia….”

Claro que este texto é só brincadeira, a intenção é só ficarmos um pouco mais familiarizados com a culinária da América do Sul.
Todos os países têm a sua história e essa história poderia ser escrita com as receitas de cada um, pois elas nos mostram a influencia indígena e da colonização, semelhantes em toda a América do Sul. Um país pode ser entendido pela sua gastronomia.
Para que não fique nenhum mal entendido, abaixo está o que significa todas as aspas colocadas no texto:
Aguado de gallina – ensopado de galinha típico do Equador.
Chupe de pollo – frango com legumes típico do Peru.
Locro – guisado comum na região dos Andes típico da Argentina.
Arepa – alimento preparado de forma circular com farinha de milho típico da Venezuela.
Humita – feito a partir de milho ralado, ervas aromáticas e leite, típico do Chile.
Chipa – biscoito semelhante ao pão de queijo, típico do Paraguai.
Majao – parecida com o arroz carreteiro brasileiro, leva ovo e carne de sol, típica da Bolivia.
Hojuelas – é um doce tradicional de Natal, típico da Colombia.
Buseca – muito consumida o inverno feita com presunto, chorizo colorado, mocotó e outros tipos de carne, típica do Uruguai.

LOCRO – PRATO TÍPICO DA COZINHA CRIOLA ARGENTINA

E SEGUE A RECEITA DE LOCRO ARGENTINO !
INGREDIENTES
1 xícara(s) (chá) de feijão branco
2 xícara(s) (chá) de milho branco
1 unidade(s) de pé suíno salgado
100 gr de bacon
750 gr de alcatra
3 unidade(s) de paio
100 gr de alho-poró
1 unidade(s) de abóbora moranga
250 gr de repolho
3 unidade(s) de cebola
3 unidade(s) de batata-doce
2 colher(es) (sopa) de banha
quanto baste de sal
2 colher(es) (sopa) de pimentão vermelho em pó
2 colher(es) (sopa) de pimentão doce em pó

PREPARO
Coloque de molho o feijão e o milho. No dia seguinte, escorr a água. Pegue uma panela; coloque bastante água, ferva o milho, o feijão, o bacon, o pé de porco e o couro de porco cortado em fatias bem finas. Deixe cozinhar por uma hora, e acrescente a carne e os paios cortados em cubos.
Quando ferver adicione o alho-poró e o repolho picado; as batatas doces e a moranga descascadas e picadas finamente. Tempere com sal e o pimentão. Ferva por mais uma hora.
Numa outra panela frite a cebola picada nas duas colheres de banha. Junte ao locro. Sirva em pratos fundos.